quarta-feira, 15 de fevereiro de 2023

Blades in the Dark [S01] - O Primeiro Golpe

Blades in the Dark √© um RPG sobre um bando de audaciosos vigaristas que buscam fortuna nas ruas assombradas de uma cidade de fantasia urbana-industrial. Aqui h√° golpes, persegui√ß√Ķes, mist√©rios ocultos, negocia√ß√Ķes perigosas, escaramu√ßas sangrentas e, acima de tudo, riquezas para se conquistar — se voc√™ tiver ousadia o suficiente.

Você e seu bando devem prosperar em meio a ameaças de gangues rivais, poderosas famílias nobres, fantasmas vingativos, Casacas Azuis da Guarda Municipal e a canção da sereia dos próprios vícios do seu vigarista. Quer alcançar o poder no submundo?

O que você está disposto a fazer para chegar ao topo?

fonte: https://www.burobrasil.com/produtos/blades-in-the-dark/

Nesse post eu vou iniciar um novo diário de campanha, dessa vez como jogador, experimentando um dos jogos que mais me chamou atenção, mas ainda não tinha experimentado em mesa. Esse diário deve funcionar mais como um relato, pois será escrito pela perspectiva de jogador.

Os Conceitos B√°sicos

BitD (Blades in the Dark) se apresenta como um jogo pautado principalmente no di√°logo ficcional entre o Mestre e os Jogadores, em que ningu√©m comanda a hist√≥ria, ela √© produto da situa√ß√£o apresentada pelo Mestre e das a√ß√Ķes tomadas pelos personagens, a hist√≥ria acontece na mesa, √© emergente e imprevis√≠vel.

Além de subverter a ideia de se jogar uma história preparada pelo Mestre, em BitD os personagens já começam sendo vigaristas capazes e audaciosos em busca de fortuna. Essa premissa deve ser abraçada pelos jogadores e os personagens devem correr riscos e se arremessar em direção ao perigo, isso não significa imprudência, apenas que a busca ativa pela ascensão na sociedade de Doskvol exige audácia.

O jogo √© jogado em bando, dando uma import√Ęncia maior a esse aspecto em compara√ß√£o ao que jogos tradicionais d√£o ao “grupo de aventureiros”, em BitD o bando tem uma ficha com mec√Ęnicas que pautam a experi√™ncia jogada. Assim, o grupo de vigaristas funciona como uma esp√©cie de meta-personagem, tendo atributos como influ√™ncia, aten√ß√£o, recursos e etc. A principal motiva√ß√£o do bando √© buscar fortuna, e isso √© feito atrav√©s de golpes!

Para entender um pouco da din√Ęmica de BitD, o jogo apresenta refer√™ncias de outras m√≠dias, talvez a mais conhecida no tempo atual √© a s√©rie Peaky Blinders, mas tamb√©m The Wire e Narcos, livros como Fafrd e Gray Mouser, por Fritz Leiber e jogos eletr√īnicos como Dishonored e Bloodborne.

Ilustração do livro básico - pág 49

O cen√°rio de BitD √© a cidade de Doskvol. Ela possui um desenvolvimento industrial. Imagine um mundo como o nosso durante a segunda revolu√ß√£o industrial na d√©cada de 1870 – existem trens, navios a vapor, prensas m√≥veis de impress√£o, tecnologia el√©trica simples e carruagens, tudo coberto por fuligem gerada pela fuma√ßa escura de in√ļmeras chamin√©s. Doskvol √© uma mistura de Veneza, Londres e Praga – cheia de casas encostadas umas nas outras e ruas sinuosas que levam a centenas de pequenas pontes cruzando canais. Essa cidade tamb√©m √© uma fantasia. O seu mundo padece coberto em escurid√£o e assolado por hordas de fantasmas – resultados do cataclisma que despeda√ßou o sol e destruiu os Port√Ķes da Morte h√° mil anos. As cidades do imp√©rio s√£o cercadas por grandes torres que emitem correntes el√©tricas relampejantes capazes de afastar os esp√≠ritos vingativos e horrores distorcidos que vagueiam pelas terras mortas. Para abastecer essas imensas barreiras, partem de Doskvol tit√Ęnicos navios de metal pilotados pelos ca√ßadores de leviat√£s [texto sobre a cidade retirado da p√°g. 1 do livro b√°sico].

A Estrutura do Jogo

Blades in the Dark possui uma estrutura de jogo própria, composta por quatro partes. A base dela é o jogo livre, onde os personagens conversam entre si, vão para lugares, fazem coisas e rolam alguns dados quando necessário.

Quando se sentirem prontos, o grupo escolhe um alvo para a sua pr√≥xima opera√ß√£o e decide um tipo de artimanha para empregar. √Č feita a rolagem de abertura, que determina a situa√ß√£o no in√≠cio da opera√ß√£o, e ent√£o o jogo vai para a fase de golpe.

Durante o golpe, os personagens dos jogadores lidam com o alvo Рfazendo rolagens, superando obstáculos, invocando flashbacks e completando a operação (seja de forma bem-sucedida ou não). Quando o golpe termina, o jogo vai para a fase de folga.

Durante a fase de folga, o Mestre usa os sistemas de recompensa, atenção e desavenças para determinar as consequências do golpe. Então, cada um dos personagens dos jogadores realiza alguma atividade de folga, como satisfazer um vício para remover estresse ou avançar algum projeto de longo prazo. Após resolver todas as atividades de folga, retornamos para o jogo livre, iniciando o ciclo novamente.

Esse trecho sobre a estrutura do jogo foi retirado da SRD ofical em português, você pode consultar gratuitamente para aprender sobre o sistema:

ūüĒó https://www.burobrasil.com/blades-in-the-dark-srd/

• • •

Sess√£o 1 - O Primeiro Golpe

O bando foi formado por um dois Sussurros (ocultistas e canalizadores de energias arcanas), uma Aranha (gênia do crime) e um Retalhador (lutador perigoso e ameaçador). A chamada para ação é dada da seguinte forma:

Mardin Gaivota, dono do Barril Furado, um pub que fica na regi√£o conhecida como P√© de Corvo prop√Ķe ao bando se estabelecer no Emaranhado, uma regi√£o de Doskvol que √© composta de estruturas que flutuam no rio formada por barcos amarrados entre si. √Č uma regi√£o neutra entre as gangues do P√© de Corvo. A proposta de Mardin √© se estabelecer ali pela neutralidade, pois existe uma perspectiva de que esse per√≠odo de estabilidade est√° perto do fim.

Esse é então o primeiro Golpe do bando, a recompensa proposta são 4 moedas!

O mapa de Doskvol - p√°g. 274

O Emaranhado - levantando informa√ß√Ķes

A primeira a√ß√£o do bando foi levantar informa√ß√Ķes, estudar o local e sondar o que est√° rolando por ali. O local foi definido como “Presen√ßa na Aus√™ncia” ao mesmo tempo que ningu√©m manda, todos respeitam sua neutralidadel. Interagimos com alguns NPCs locais, levantamos alguns fatos e rumores:

Lizete, uma mercadora que vende pratos típicos feitos de enguias.

Sala de Máquinas, um local a ser evitado, pois rumores apontam a existência de um fantasma.

Guilda dos Gondoleiros, facção que funciona como uma milícia espiritual e tem presença no local.

• A comunidade local √© autogerida, n√£o existem vetos, mas √© preciso manter a ordem no local.

Golpe e Ação

O golpe começa com o grupo arrumando um barco para acoplar ao Emaranhado. Roubamos um barco abandonado sem maiores problemas. Conseguimos também anexar nosso barco sem problemas, o golpe ocorreu em meio a um evento que estava acontecendo no local, os Corvos estavam comemorando o aniversário de seu líder Roric.

Logo no in√≠cio do evento, no momento que terminamos de amarrar nosso barco presenciamos uma cena: uma mulher sorrateiramente saca uma adaga e passa no pesco√ßo de Roric furtivamente e empurra o corpo para o rio, o bando testemunha o assassinato. A mulher percebe que est√°vamos ali e aponta para o bando gritando: “Assassinaram Roric” e aponta para o bando.

A cena ent√£o descarrila para uma a√ß√£o desenfreada, uma confus√£o come√ßa a se formar e o grupo precisa agir r√°pido. Minha personagem Sussurro usa sua habilidade especial e invoca um fantasma no meio do local para criar mais caos e permitir a a√ß√£o no meio da confus√£o. 

O restante do bando ent√£o pensa r√°pido e resolve que a estrat√©gia √© abordar a assassina e propor um acordo, pela descri√ß√£o do Mestre aquela mulher √© Lyssa, tamb√©m parte da fac√ß√£o dos Corvos e a segunda no comando. A personagem Aranha lidera a abordagem e prop√Ķe que ficar√° em sil√™ncio sobre o assassinato e que vai acobertar a situa√ß√£o, Lyssa ent√£o aceita, mas fala que aquela confus√£o envolvendo o fantasma √© nosso problema e precisamos resolver.

Todas essas a√ß√Ķes acima tiveram suas rolagens, o sistema prop√Ķe uma resolu√ß√£o de conflitos com falha, sucesso e sucesso com consequ√™ncias. 

A cena segue com o grupo se espalhando, minha personagem Susurro junto com o outro Sussurro do grupo se juntam para tentar subjugar o fantasma enquanto o Retalhador e a Aranha tentam dispersar aquela confusão, no meio disso pessoas começam a perder o controle pela influência do fantasma.

Um Acordo com o Diabo

Uma mec√Ęnica em particular teve bastante gravidade para a resolu√ß√£o desse conflito e as consequ√™ncias para os pr√≥ximos cap√≠tulos, ao tentar subjugar o fantasma minha personagem decidiu aceitar um "Acordo com o Diabo". Essa mec√Ęnica adiciona um dado extra em uma rolagem dif√≠cil e decisiva, mas o "Diabo" cobrar√° o pre√ßo.

Essa mec√Ęnica √© especialmente interessante, pois permite emular cenas cl√°ssicas de filmes e series de golpes onde os vigaristas conseguem fazer algo muito dif√≠cil, mas acabam tendo consequ√™ncias desastrosas depois, o Acordo com o Diabo, assim como a maioria das mec√Ęnicas de BitD amarra muito bem o jogo jogado com a narrativa proposta na tem√°tica.

O Acordo com o Diabo proposto foi: Você vai ganhar 1 dado a mais para tentar acalmar e subjugar o fantasma agora, mas ele trará problemas para o bando de vocês no futuro [no próximo relato isso se desenrola!]

Como era uma situação crucial, eu como jogador aceitei o acordo e rolei os dados com a ajuda do outro personagem Sussurro, dando suporte e adicionando mais dados na rolagem, e deu certo!


Ilustração do livro básico - pág. 44

Resolução e Consequências

O golpe finaliza com a confusão sendo dispersa e o fantasma capturado, o grupo se estabelece no Emaranhado, consegue a recompensa de Mardin. De uma forma geral o golpe dá certo, entretanto diversos poréns se estabelecem como consequências:

• O bando precisa arrumar um culpado para acobertar Lyssa pelo assassinato;

• O bando precisa lidar com o fantasma invocado por Carissa (personagem Sussurro);

• O bando precisa lidar com um poss√≠vel outro fantasma que assombra o local barco e atrapalha os neg√≥cios do Emaranhado;

• O bando precisa retomar a conversa com Mardin Gaivota para planejar o pr√≥ximo passo na ascens√£o do bando.

Relato e próximos capítulos

De uma forma geral o jogo rodou muito bem, o sistema amarra bem a experi√™ncia proposta com suas mec√Ęnicas, mas possui uma certa curva de aprendizado. Diversos paradigmas tradicionais de RPG s√£o subvertidos em Blades in the Dark. O Mestre j√° possu√≠a experi√™ncia no sistema, por√©m todos os jogadores estavam experimentando pela primeira vez, apesar disso todos deram feedback muito positivo para a primeira sess√£o.

• • •

Próximo relato

RELATO SESS√ÉO 2 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/04/bitd-02.html


Lista de todos os relatos

RELATO SESS√ÉO 1 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/02/bitd-01.html

RELATO SESS√ÉO 2 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/04/bitd-02.html

RELATO SESS√ÉO 3 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/04/bitd-03.html

RELATO SESS√ÉO 4 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/04/bitd-04.html

RELATO SESS√ÉO 5 ➤ ūüĒó https://www.dialogoficcional.com/2023/05/bitd-05.html

• • •

Se voc√™ usa twitter me segue l√° pra gente trocar uma ideia sobre RPG! ūüĒó twitter.com/icaroagostino


2 coment√°rios: